• Document: O HIPERTEXTO E AS PRÁTICAS DE LEITURA 1
  • Size: 142.25 KB
  • Uploaded: 2019-02-13 20:30:56
  • Status: Successfully converted


Some snippets from your converted document:

O HIPERTEXTO E AS PRÁTICAS DE LEITURA1 Eliane Arbusti Fachinetto* RESUMO O termo hipertexto designa um processo de escrita/leitura não-linear e não hierarquizada que permite o acesso ilimitado a outros textos de forma instantânea. Nosso objetivo neste artigo é traçar uma analogia entre hipertexto e cognição humana. Pretende-se levantar a hipótese de que o hipertexto favorece a leitura em função de sua característica não-linear e não- hierarquizada, que entra em ressonância com o sistema cognitivo humano. A cognição, da mesma forma que o hipertexto, caracteriza-se pelos saltos ou infinidade de associações possíveis. Uma palavra pode nos remeter a uma série de pensamentos, assim como ocorre ao clicar com o mouse sobre um link. Procuramos inicialmente mostrar qual é base do hipertexto, sua origem e como se caracteriza. Também analisamos essa nova forma de escrita e comunicação sob o ponto de vista da hipertextualidade, da estrutura em rede. O ciberespaço se configura como uma infinidade de leituras possíveis. Sendo assim, buscamos elucidar tópicos como as revoluções que ele nos apresenta; o que muda na leitura do hipertexto; como lemos um texto impresso e um hipertexto; e qual o caminho que percorremos em sua leitura. A popularização do hipertexto, através da Internet, permite que, diariamente, as pessoas acessem sites para ler alguma coisa. Por isso, precisamos compreender melhor essas práticas não-lineares, suas aplicações e a influência em nosso modo de ler e entender o mundo. PALAVRAS-CHAVE: Hipertexto - Internet - Leitura - Cognição - Labirinto INTRODUÇÃO 1 Este artigo está publicado na revista eletrônica www.letramagna.com e na Revista Querubim (www.revista.querubim.nom.br) * Mestranda em Letras – Leitura e Cognição – pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Outubro de 2005. E-mail para contato: fachinetto@pannet.com.br O fio condutor que guiará este trabalho é o hipertexto e sua relação com a cognição humana. Procuramos inicialmente uma definição para esta nova concepção de leitura e escrita, surgida com o advento da Internet. Como o nome já diz, hiper significa posição superior, intensidade ou excesso. Poderia- se afirmar então que o hipertexto vai além do texto, oferece algo mais, uma vez que se pratica em um suporte dinâmico como o computador. Buscamos apresentar um panorama geral sobre conceitos relacionados ao tema, como Internet e suas ferramentas, links, sites, navegação, novas tecnologias, etc, estabelecendo relações com a leitura. Mais precisamente, pretendemos analisar a prática da leitura com o hipertexto: a diferença entre texto em papel e texto em tela (hipertexto); as revoluções e mudanças da leitura no texto impresso para o hipertexto, e como é a leitura do hipertexto. Analisamos também como se configura esta nova perspectiva sob o ponto de vista cognitivo. Com o presente trabalho pretende-se levantar a hipótese de que o hipertexto favorece a leitura em função de sua característica não-linear e não- hierarquizada, similar ao pensamento humano. Nossa cognição, da mesma forma que o hipertexto, caracteriza-se pelos saltos ou infinidade de associações possíveis. Uma palavra pode nos remeter a uma série de pensamentos, assim como ocorre ao clicar com o mouse sobre um link. As novas tecnologias da informação seguem um caminho sem volta. Não podemos mais nos limitar aos antigos processos de escrita e leitura. O ciberespaço ganha cada vez mais navegadores. Se os precursores da Inteligência Artificial se inspiraram no funcionamento do cérebro para a concepção dos computadores, da mesma forma, precisamos aprofundar nossos conhecimentos sobre o hipertexto para saber como a mente humana responde a esses novos estímulos. Cabe ressaltar que não pretendemos abarcar, muito menos esgotar esse assunto em um artigo. São inúmeras as possibilidades de estudo sobre os novos gêneros digitais, por exemplo, surgidos a partir do hipertexto e da Internet. Entre eles, podemos estudar o e-mail, o chat, as videoconferências, os sites, os blogs, enfim, tudo o que as novas tecnologias possibilitam em termos de comunicação humana. 1 HIPERTEXTO Reunindo diversas definições de autores, entre eles Landow, Lévy, Chartier, Negroponte, Leão, Xavier, Koch, etc, sobre o termo hipertexto, pode- se dizer que o termo designa um processo de escrita/leitura não-linear e não hierarquizada e que permite o acesso ilimitado a outros textos de forma instantânea. Possibilita ainda que se realize uma trama, ou rede, de acessos sem seguir, necessariamente, seqüências ou regras. O hipertexto constitui a base da Internet. Em outras palavras, ao acessarmos um site, por exemplo, escolhemos o caminho que desejamos seguir e, ao clicar o mouse em determinadas frases ou palavras, novos textos nos saltam aos olhos. Esta estrutura textual permite que o leitor, ao escolher a seqüência d

Recently converted files (publicly available):