• Document: Segundo Reinado ( )
  • Size: 1.54 MB
  • Uploaded: 2019-02-13 15:38:05
  • Status: Successfully converted


Some snippets from your converted document:

HISTÓRIA DO BRASIL Segundo Reinado (1840-89) De 1840 a 1889 o Brasil foi governado pelo imperador D. Pedro II e viveu a fase final da monarquia, que deixou de existir a partir de um golpe promovido pelos militares em 1889. Muitos historiadores consideram que esse período pode ser dividido em 03 fases mais ou menos distintas, as quais são:  Consolidação (1840-1850),  Conciliação (1850-1870) e  Declínio (1870-1889). 1. Política Consolidação e Conciliação O 2º Reinado iniciou, como vimos, com a antecipação da maioridade de D. Pedro II, que assumiu o trono aos 14 anos de idade. D. Pedro II teve sua maioridade antecipada por uma articulação feita pelos liberais, que se encontravam afastados do poder durante a Regência de Araújo Lima. Dessa forma, o monarca escolheu liberais para comporem seu ministério. Conservadores x Liberais “Não havia nada mais parecido com um conservador do que um liberal no poder”. “Eleições do Cacete” A eleição para a Câmara dos deputados de 1840 foi marcada pela intensa disputa entre conservadores e liberais, tendo como sinal disso as fraudes eleitorais e o uso da violência. Nas eleições, os liberais venceram mas foram acusados de terem utilizado fraude para esta vitória. D. Pedro II dissolveu a Câmara e convocou novas eleições. Página 1 com Prof. Bussunda Parlamentarismo no Brasil Em 1847 foi instituído o regime parlamentarista no Brasil. Nesse sistema, o presidente do Conselho de Ministros (primeiro-ministro) seria o chefe do ministério e encarregado de organizar o gabinete do governo. Apesar de existir um primeiro-ministro, ainda assim o Poder Moderador (rei) se sobrepunha a todos os outros, por isso esse parlamentarismo foi chamado de Parlamentarismo às avessas Período da Conciliação Houve um período em que liberais e conservadores governaram juntos, por meio de acordos e distribuições de cargos políticos. Este período, que foi de 1853 até 1861, ficou conhecido como o período da conciliação. Após esse período houve um certo equilíbrio político entre esses dois partidos , uma vez que não tinham divergências profundas. Revolta Praieira - PE (1848-50) Na metade do século XIX, a produção açucareira era, em Pernambuco, uma das principais atividades econômicas. Mas esta atividade estava controlada pelas mãos de poucas famílias que dominavam a vida política local, como os Cavalcanti. O comércio, outra atividade econômica vital para a região, era controlado pelos portugueses. A maioria da população vivia em dificuldades, o que levava ao apoio das idéias liberais radicais, que combatiam a desigualdade social. O partido da Praia era um forte defensor dessas idéias e apoiava O presidente da província, Chichorro da Gama,  Manifesto ao Mundo (1849) pelo fato de o mesmo não estar envolvido com os Voto livre e Universal; donos de engenho e comerciantes. Liberdade de imprensa; Porém, em 1848, o governo imperial demitiu da garantia de trabalho ao cidadão Gama, fazendo eclodir a Revolta da Praieira. brasileiro;  Líderes: Pedro Ivo, Borges da Fonseca; fim do poder moderador;  Lançado o Manifesto ao Mundo [abaixo]; proibição de portugueses  Sem resoluções quanto a questão da comerciarem; escravidão; estabelecimento da Federação  Repressão imperial. Derrotadas as tendências separatistas, expressas em algumas rebeliões provinciais, as elites sociais e políticas e o governo do Império consolidaram a construção de um Estado centralizado. Preservaram, assim, a unidade territorial do país. A maioria da população continuava afastada da disputa pelo poder. COTRIM, Gilberto. História Global: Brasil e Geral. Editora Saraiva. Página 2 com Prof. Bussunda 2. Economia No segundo reinado, despontava no Brasil um produto de exportação que traria um novo sustentáculo para as forças agro-exportadoras, trata-se do Café, o novo “ouro” brasileiro. Veja no gráfico as exportações brasileiras: Produção do Café Vale do Paraíba e baixada Fluminense Oeste Paulista (RJ)  Liderança: pós-1870;  Auge: 1950-70;  Transição para mão-de-obra livre /  Ampla utilização da mão-de-obra imigrante; escrava;  Terra roxa;  Técnicas inadequadas;  Industrialização. Modernização Na segunda metade do século XIX o Brasil experimentou um crescimento na sua indústria, sobretudo no setor de alimentos e vestiários. Eis alguns dos fatores que contribuíram para o crescimento industrial:  Capital excedente do Café;  Fim do tráfico negreiro (1850);  Investimentos estrangeiros (ferrovias/bancos);  Tarifa Alves Branco (1844) Transição da mão-de-obra  Da mão-de-obra escra

Recently converted files (publicly available):