• Document: DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA
  • Size: 65.72 KB
  • Uploaded: 2019-02-13 23:15:45
  • Status: Successfully converted


Some snippets from your converted document:

DO MITO A RAZÃO: O NASCIMENTO DA FILOSOFIA A palavra Filosofia é grega. É composta por duas outras: PHILO e SOPHIA. PHILO significa amizade, amor fraterno, respeito entre os iguais; SOPHIA, sabedoria, sábio. FILOSOFIA significa, portanto, amizade pela sabedoria, amor e respeito pelo saber. Filosofo: o que ama a sabedoria, tem amizade pelo saber, deseja saber. Filosofia é um modo de pensar e exprimir os pensamentos que surgiu especificadamente com os gregos e que, por razões históricas e políticas, tornou-se, depois, o modo de pensar e de se exprimir predominantemente da chamada cultura européia ocidental da qual, em decorrência da colonização portuguesa do Brasil, nos também participamos. Os historiadores dizem que ela possui data e local de nascimento: final do século VII e início do século VI a. C., nas colônias gregas da Ásia Menor (região da Jônia), na cidade de Mileto. E o primeiro filósofo foi Tales de Mileto. A filosofia surge, quando alguns gregos, admirados e espantados com a realidade, insatisfeitos com as explicações que a tradição lhes dera, começam a fazer perguntas e buscar respostas para elas, demonstrando que o mundo e os seres humanos, os acontecimentos e as coisas da Natureza, podem ser conhecidos pela razão humana e a própria razão é capaz de conhecer-se a si mesmo. A primeira maneira encontrada para explicar a origem do mundo (cosmos), foi através da mitologia. Mito é uma narrativa sobre a origem de alguma coisa (origem dos astros, da Terra, dos homens, do fogo, das guerras, etc.). O mito narra a origem das coisas por meio de lutas, alianças e relações sexuais entre forças sobrenaturais que governam o mundo e o destino dos homens. Quem narrava os mitos eram os escolhidos dos deuses, que por meio de revelações mostravam os acontecimentos passados, permitindo ver a origem de todos os seres e de todas as coisas. Sua palavra é sagrada porque vem de uma revelação divina. O mito é, pois, incontestável e inquestionável. CONDIÇÕES HISTÓRICAS PARA O SURGIMENTO DA FILOSOFIA As viagens marítimas, que permitiram aos gregos descobrir que os locais que os mitos diziam habitados por deuses, titãs e heróis eram, na verdade, habitados por outros seres humanos; e que as regiões dos mares que os mitos diziam habitados por monstros e seres fabulosos não possuíam nem monstros nem seres fabulosos. As viagens produziram o desencantamento ou a desmistificação do mundo, que passou, assim, a exigir uma explicação sobre sua origem, explicação que o mito já não podia oferecer. A invenção do calendário, que é uma forma de calcular o tempo segundo as estações do ano, as horas do dia, os fatos importantes que se repetem, revelando, com isso, uma capacidade de abstração nova, ou uma percepção do tempo como algo natural e não como um poder divino incompreensível. A invenção da moeda, que permitiu uma forma de troca que não se realiza através das coisas concretas ou dos objetos concretos trocados por semelhança, mas uma troca abstrata, uma forma feita pelo cálculo do valor semelhante das coisas diferentes, revelando, portanto, uma nova capacidade de abstração e de generalização. O surgimento da vida urbana, com o predomínio do comércio e do artesanato, dado desenvolvimento a técnica de fabricação e de troca e diminuindo o prestígio das famílias da aristocracia proprietárias de terras, por que e para quem os mitos foram criados; além disso, o surgimento de uma classe de comerciantes ricos, que precisava encontrar pontos de poder e de prestígio para suplantar o velho poderio de aristocracia de terras e de sangue (as linhagens constituídas pelas famílias), fez com que se procurasse o prestígio pelo patrocínio e estímulo as artes, às técnicas e aos conhecimentos, favorecendo um ambiente onde a filosofia poderia surgir. A invenção da escrita alfabética, que como o calendário e da moeda, revela o crescimento da capacidade de abstração e de generalização, uma vez que a escrita alfabética ou fonética, diferentemente de outras escritas – como, por exemplo, os hieróglifos dos egípcios ou os ideogramas dos chineses - , supõe que não se represente uma imagem da coisa que esta sendo dita, mas a idéia dela, o que dela se pensa e se transcreve. A invenção da política, que introduz três aspectos novos e decisivos para o nascimento da filosofia: 1 a idéia da lei como expressão da vontade de uma coletividade humana que decide por si mesma o que é melhor para si e como ela definirá suas relações internas. O aspecto legislativo e regulador da cidade – da polis – servirá de modelo para filosofia propor o aspecto legislado, regulado e ordenado do mundo como um, mundo racional. 2 o surgimento de um espaço público, que faz aparecer um novo tipo de palavra ou de discurso, diferente daquele que era proferido pelo mito. Com a polis (cidade política), surge a palavra como direito de cada ci

Recently converted files (publicly available):