• Document: PASTOREIO RACIONAL VOISIN (PRV)
  • Size: 2.47 MB
  • Uploaded: 2019-02-13 16:21:50
  • Status: Successfully converted


Some snippets from your converted document:

PASTOREIO RACIONAL VOISIN (PRV) O Pastoreio Racional Voisin é um sistema racional de manejo de pastagem que preconiza a divisão da área de pasto em várias parcelas, onde, na mesma, são fornecidos água e sal mineral. Além disso, os pastos são manejados de tal forma que, aumentam sua produtividade. O nome é dado em homenagem ao pesquisador francês André Voisin falecido em Janeiro de 1965. OBJETIVOS E VANTAGENS DO PRV - Melhora a qualidade ambiental, pois isola o gado das áreas de proteção permanente, permitindo ao mesmo que tenha acesso à água em bebedouros adequados. - Melhorar a qualidade e a produtividade do pasto - Aumentar disponibilidade do pasto na escala do tempo e com regularidade durante o ano todo. - Produção de carne e leite a baixo custo - Melhora a fertilidade biológica do sistema e principalmente, a do solo - Reduz a erosão e evita caminhos desvegetados ou carreadores. - Aumenta o bem estar animal, pois fornece água, pasto de qualidade, sombra e diminui infestação de parasitas internos e externos. - Melhora a sanidade geral do rebanho. - Permite o melhoramento dos pastos pela introdução de novas espécies através da sobressemeadura, ressemeadura e plantio na bosta. - permite usar uma maior carga animal por área. - Reduz os efeitos da dominância entre os animais. O Partoreio Racional Voisin (PRV) preconiza quatro leis fundamentais para que os agricultores familiares tenham sucesso no manejo dos pastos e na produtividade de leite e carne. O método serve tanto para produção de leite quanto para produção de carne e também pode ser usado para produção de ovinos, caprinos e bubalinos. As leis universais do PRV são as seguintes: 1ª LEI UNIVERSAL DO PASTOREIO RACIONAL VOISIN- LEI DO REPOUSO “Para que um pasto cortado pelo dente do animal possa dar a sua máxima produtividade, é necessário que, entre dois cortes sucessivos a dente, haja passado o tempo suficiente, que permite ao pasto: a) Armazenar em suas raízes reservas necessárias para início de um rebrote vigoroso; b) Realizar sua labareda de crescimento, ou grande produção de pasto por dia por hectare. Isso quer dizer que o pasto precisa estar em ponto ótimo para ser pastoreado (Machado, 2004). Os pastos quando tem descanso (descanso é quando após pastoreio o gado deixa de pastar num piquete e passa para outro, deixando o pasto sem animais por algum tempo), rebrotam e crescem vigorosamente, fazendo fotossíntese e armazenando energia e nutrientes nas raízes, para que se forem cortados novamente pelo dente dos animais, possam rapidamente rebrotar e crescer. André Voisin analisou uma pastagem e notou que após seis dias de descanso a pastagem havia produzido 480 kg de pasto verde por hectare; com nove dias de repouso, produziu 1600 kg de pasto verde por hectare; com 18 dias de repouso, produziu 4800 kg de pasto verde por hectare e com 27 dias de repouso, produziu 5760 kg de pasto verde por hectare (Machado, 2004). Isso significa que com que com seis dias de descanso, a área de pasto produziu somente 80 kg de pasto por dia de descanso; com 9 dias, produziu 178 kg de pasto por dia de descanso; com dezoito dias, a área produziu 266 kg de pasto verde por dia de descanso e com 27 dias, a área produziu 214 kg de pasto verde por dia de descanso, o que mostra que o pasto começou a amadurecer, diminuindo a produtividade diária. A partir do sexto dia de descanso, a curva de crescimento do pasto aumenta vertiginosamente, demonstrando um crescimento exponencial, ou seja: há uma grande produção de pasto diariamente, o que Voisin chamou de labareda de crescimento. Nesse período a planta acumula reservas nas raízes. A partir do décimo oitavo dia a planta diminuiu a intensidade de crescimento até começar a amadurecer, onde nesse ponto Voisin chamou de ponto ótimo de repouso da pastagem. Aos 27 dias, começa a decrescer a quantidade de forragem produzida por dia de descanso. Nesse caso estudado, os animais devem ser colocados para pastorear a área, nesse período compreendido entre os 18 e 27 dias de descanso. É nesse momento que a planta apresenta maior valor nutritivo, boa digestibilidade e alta produtividade de forragem, por unidade de área. Depois de pastorear um piquete no ponto ótimo de repouso, a planta vai ter reservas suficientes nas suas raízes para promover uma rebrota vigorosa. O período de repouso entre dois cortes varia de acordo com cada espécie vegetal, com o clima, com a temperatura, com a umidade e até mesmo com a fertilidade do solo, então é importante que cada propriedade identifique o período de repouso para seus pastos. Cada agricultor deve ser um pesquisador em sua propriedade. 2ª LEI UNIVERSAL DO PASTOREIO RACIONAL VOISIN- LEI DE OCUPAÇÃO. “O tempo global de ocupação de uma parcela deve ser o suficientemen

Recently converted files (publicly available):